Publicado em

Cavalos e crianças tem tudo a ver

Crianças e cavalos, está aí uma química que funciona. A relação de uma criança com um cavalo a ensina muito sobre liberdade, respeito, autonomia, parceria, amor, amizade, agilidade, cautela, concentração, criatividade e improviso. Ela traz inclusive benefícios terapêuticos.

E foi por esse motivo que surgiu a Equoterapia e o cavalo se tornou protagonista de terapias de reabilitação de adultos e crianças não só com deficiências mais severas, como Síndrome de Down, autismo, esquizofrenia, psicoses, deficiências visuais e auditivas, mas também para melhorar dificuldades escolares e de relacionamentos sociais como distúrbio de atenção, percepção, fala, linguagem, hiperatividade, timidez, agressividade, ansiedade, compulsão, distúrbios alimentares, insônia e por aí vai…

Durante as sessões que duram por volta de 30 minutos, os terapeutas reúnem técnicas de equitação com estimulação da linguagem, tato, orientação de espaço e de tempo, memória, percepção visual e auditiva, direção, raciocínio e vários outros estímulos.

A Equoterapia é um tipo de terapia, mas não substitui as outras. É uma terapia complementar que auxilia nos tratamentos e exercícios que foram orientados pelos médicos, psicólogos ou educadores da criança.

Quando uma criança consegue dominar sozinha um cavalo, não estamos mais falando de equoterapia, mas sim de equitação, pois a montaria é realizada como uma atividade lúdica ou esportiva.

Mas o que realmente importa é que os ensinamentos que um cavalo proporciona a uma criança tendo deficiência ou não são tantos que faz com que ela aprenda a pensar mais rápido que o cavalo, a raciocinar sobre o percurso que irá fazer, a como movimentar seu corpo, mãos e pernas para que o animal compreenda o que ela quer, entre tantos outros aprendizados.

Não podemos deixar de falar aqui sobre os devidos cuidados que devemos tomar para evitar acidentes e situações que colocam em risco a segurança das crianças. Os cavalos pesam em torno de 500 Kg, um pouco mais ou um pouco menos. Portanto, não podemos medir força e nem tamanho com eles. Um pisão, um coice, uma queda, uma colisão, enfim, tudo é potencializado pela sua grande dimensão.

O cavalo, por sua vez, não tem noção da sua força e não vai ter a intenção de machucar ou ferir ninguém. Mas pode acontecer uma reação ou situação inesperada, e é por isso que precisamos estar sempre atentos.

Vale muito a pena incentivar seu filho a cavalgar. Melhor ainda se for feito em família, uma cavalgada em família trará benefícios que vão além de tudo que comentamos acima. Experimente!